Convite à Manifestação de Interesse: Consultoria Empresarial Formação-Ação – Dinamizar

Convite à Manifestação de Interesse: Consultoria Empresarial Formação-Ação – Dinamizar

A AEVC – Associação Empresarial de Viana do Castelo, vem apelar à manifestação de interesse por parte dos seus associados para a participação numa candidatura, que se encontra a ser preparada no âmbito do Portugal 2020, ao Projeto Conjunto de Formação – Ação designado por “Dinamizar”, Aviso N.º 11/SI/2019.

Podem candidatar-se a este programa as micro, pequenas e médias empresas dos setores do Comércio e Serviços com menos de 100 trabalhadores.

As empresas interessadas devem preencher a ficha de Manifestação de Interesse disponibilizada abaixo até ao próximo dia 8 de Maio. A seleção das empresas que cumpram os requisitos de acesso será feita por ordem de entrada. Note-se que nesta fase apenas poderão participar até um máximo de 25% do total de PME a intervencionar que já tenham sido intervencionadas em anteriores projetos.

O modelo organizativo do Programa de Formação-Acção “Dinamizar” foi desenvolvido pela CCP – Confederação do Comércio e Serviços de Portugal e, tem como objectivo específico, intensificar a formação dos empresários e gestores para a reorganização e melhoria das capacidades de gestão, assim como dos trabalhadores das empresas, apoiada em temáticas associadas à inovação e mudança, através de:

  • Aumento da qualificação específica dos trabalhadores em domínios relevantes para a estratégia de inovação, internacionalização e modernização das empresas;
  • Aumento das capacidades de gestão das empresas para encetar processos de mudança e inovação;
  • Promoção de ações de dinamização e sensibilização para a mudança e intercâmbio de boas práticas.

 

Organização do processo de formação-ação

Componente de formação em sala decorre preferencialmente em ambiente interempresas, por forma a potenciar a troca de experiências face à multiplicidade de contextos organizacionais em presença.

Componente de consultoria individualizada em cada PME decorre em ambiente intraempresa (on the job) e é realizada no estabelecimento a intervencionar. Esta componente concretiza-se em visitas do consultor/formador para sessões de trabalho que envolvem o próprio, o formando e outros colaboradores da empresa.

 

Estrutura de intervenção

As ações de formação-ação, no âmbito do presente Aviso, têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas nas seguintes áreas temáticas: Implementação de Sistemas de Gestão ou Economia Digital. Uma mesma PME só pode ser intervencionada em uma temática.

Temática 1: Implementação de sistemas de gestão

A qualidade é hoje um dos elementos fundamentais na competitividade das empresas do comércio e serviços. Mais do que comercializar bens e serviços este tipo de empresas são, muitas vezes, percecionadas pelos seus clientes como peritos em determinadas áreas e podem e devem funcionar como conselheiros dos clientes no sentido de lhes proporcionarem as compras mais ajustadas às suas necessidades, assegurando, sempre uma otimização da função custo-qualidade.

O “Sistema de Reconhecimento da Qualidade Global das PME do Comércio e Serviços” é reconhecido pelo Instituto Português da Qualidade (IPQ), enquanto organismo de normalização, através de uma Especificação Técnica (ET) (DNS TS 4546), sendo um sistema voluntário e flexível, da qualidade das PME do Comércio e Serviços, ajustado às especificidades deste segmento de empresas e dotado da necessária flexibilidade em termos dos tempos de execução e das áreas objeto da avaliação.

 

Linhas Orientadores:

– Ajudar as organizações a obter uma diferenciação e imagem positivas;

– Apoiar, de uma forma sistemática, a melhoria da eficácia e da eficiência dos processos, atividades e tarefas (práticas de gestão e práticas operacionais), permitindo maximizar os recursos disponíveis;

– Incentivar a melhoria dos serviços prestados e dos bens fornecidos a clientes e consumidores;

– Assegurar o cumprimento das formalidades legais inerentes ao seu licenciamento e desencadear um maior grau de envolvimento e participação dos colaboradores nos processos internos de melhoria;

– Proporcionar o aumento da qualificação dos recursos humanos e assegurar as competências profissionais exigíveis associadas aos serviços prestados;

– Garantir a disponibilização de infraestruturas adequadas à comercialização e ao fornecimento de bens e serviços (Ex: equipamentos, mobiliário e instalações);

– Proporcionar à organização uma nova forma de estar na sociedade e um relacionamento inovador com todas as suas partes interessadas.

 

Embora o objetivo primordial deste sistema não seja a certificação (que é opcional) mas sim a melhoria do desempenho da PME, o acesso a este reconhecimento externo é relevante, porque funciona como uma garantia do cumprimento de boas práticas, contribuindo para a atrair/fidelizar clientes para estas PME.

 

Organização da formação-ação

 

Ações a desenvolver:

  • Qualidade dos bens e serviços – Promover novas técnicas de comercialização, com procedimentos aplicáveis ao tratamento de devoluções, sistemas de garantia e assistência técnica, etc….;
  • Gestão – Otimizar o funcionamento da organização através de um processo racional de tomadas de decisão. Estabelecer a correlação entre os recursos de que a organização dispõe e os resultados a que se propõe alcançar, bem como definir o futuro da organização;
  • Comunicação Externa – Avaliar o sistema de informação e comunicação com os clientes da organização e com outras partes interessadas, assim como implementar novas tecnologias para assegurar a sua promoção eficaz no mercado e fidelizar clientes;
  • Segurança e Saúde – Promover a proteção pessoal, de bens e dados e instalações;
  • Ambiente – Garantir que as práticas ambientais cumprem os requisitos legais e outros que decorram das suas políticas empresariais;
  • Responsabilidade social – promover o aumento da confiança e da reputação da organização, o aumento dos ganhos e redução dos custos, da motivação dos colaboradores e das vendas.

Duração

185 horas (110 horas consultoria + 75 horas de formação repartida em módulos de 25h)

Temática 2: Economia digital

Objetivo geral:

Adaptar as empresas aos desafios promovidos pela digitalização da economia tornando-as mais eficientes e competitivas, quer através da introdução de tecnologias digitais nos seus modelos de negócio (recursos a sistemas de informação nos seus métodos de gestão, criação de canais de venda online, presença digital) quer através do aumento das competências digitais dos seus empresários e trabalhadores.

Linhas Orientadoras

 

  • Criar ou adequar os modelos de negócio com vista à integração da empresa na economia digital;
  • Facilitar a transformação digital das empresas por forma a terem uma presença online;
  • Melhorar processos de trabalho através do aumento da rapidez, precisão e eficácia das tarefas com recurso às TIC;
  • Aumentar a literacia nas PME do setor.

 

Organização da formação-ação:

Ações a desenvolver:

  • Noções gerais de literacia digital;
  • Estratégias aplicadas a canis digitais nos modelos de negócio;
  • Soluções de negócio ao nível do comércio electrónico;
  • Utilização de plataformas web, redes sociais e dispositivos móveis na divulgação e promoção do negócio;
  • Utilização do marketing digital na divulgação e promoção de bens e serviços;
  • Utilização de soluções tecnológicas para comunicar com clientes e fornecedores;
  • Utilização de soluções tecnológicas para melhoria de processos de gestão.

Duração

200 horas (100 horas de consultora + 100 horas de formação repartida em módulos de 25h)

Lista de Atividades Elegíveis

Secção G – Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos: 45 + 46 + 47

Secção I – Alojamento, restauração e similares: 55 + 56

Secção J – Atividades de informação e de comunicação: 58 + 59 + 60 + 61 + 62 + 63

Secção L – Atividades imobiliárias: 68

Secção M – Atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares: 69 + 70 + 71 + 72 + 73 + 74 + 75

Secção N – Atividades administrativas e dos serviços de apoio: 77 + 78 + 79 + 80 + 81 + 82

Secção P – Educação: 85

Secção Q – Atividades de saúde humana e apoio social: 86 + 87 + 88

Secção R – Atividades artísticas, de espetáculos, desportivas e recreativas: 90 + 91 + 93

Secção S – Outras atividades de serviços: 95 + 96

Requisitos de Acesso

– Ser PME com menos de 100 colaborades

– Cumprir as condições necessárias para o exercício da atividade

– Ter situação tributária e contributiva regularizada perante, respetivamente, a administração fiscal e segurança social

– Ter situação regularizada em matéria de reposição, no âmbito dos financiamentos dos fundos europeus estruturais e de investimento (FEEI)

– Dispor de contabilidade organizada

– Apresentar uma situação económico-financeira equilibrada, através de situação líquida positiva (Capitais Próprios positivos) com  referência ao ano pré-projeto

– Ter disponibilidade de dotação “minimis”;

– Não ser uma empresa em dificuldade;

– Declarar que não se trata de uma empresa sujeita a uma injunção de recuperação, ainda pendente, na sequência de uma decisão anterior da Comissão que declara um auxílio ilegal e incompatível com o mercado interno

– Não deter nem ter detido capital numa percentagem superior a 50%, por si ou pelo seu cônjuge, não separado de pessoas e bens, ou pelos seus ascendentes e descendentes de 1.º grau, bem como por aquele que consigo viva em condições análogas à dos cônjugues, em empresa que não tenha cumprido notificação para devolução de apoios no âmbito de uma operação apoiada por fundos europeus;

– Declarar que não tem salários em atraso.

Seja Associado!