Avançar para o conteúdo

INFLUÊNCIA GEOGRÁFICA

Em 1939, consolidado o Estado Novo, a Associação aprova em Assembleia Geral a transformação em Grémio do Comércio do Concelho de Viana do Castelo. A mudança resultou da necessidade de cumprir um decreto-lei que rezava assim: “O Grémio constitui factor de cooperação activa com todos os outros factores da economia nacional e renuncia a toda e qualquer forma de actividade interna ou externa, contrária aos interesses da Nação Portuguesa”.

Na sequência desta grande mudança estrutural, é criado o Código Corporativo que institui a Comissão Reguladora do Comércio Local, no quadro do Grémio. Daqui resulta que a Instituição passa a deter a responsabilidade de gerir a distribuição de alimentos à população até ao termo da segunda guerra mundial. Em 1945 cessa esta obrigação, por extinção da Comissão Reguladora, substituída por uma Delegação Concelhia da Intendência Geral dos Abastecimentos.

Por via do código corporativo criado pelo Estado Novo, o Grémio do Comércio vianense pode finalmente rentabilizar as sinergias resultantes da anexação dos concelhos de Valença, Caminha, Paredes do Coura e Vila Nova de Cerveira, decidida em 1941 pelo subsecretário de Estado das Corporações e Previdência Social.

Na prática é a extensão do Grémio aos concelhos vizinhos, sobretudo do litoral, concelhos com pouca actividade comercial. O âmbito de acção extravasou Viana do Castelo para chegar a Valença, passando por Paredes de Coura. Importa dizer que esta era uma terra de gente com muitas posses, pelo que esta extensão foi mais a formalização de uma ligação já antiga em termos comerciais.

Viana do Castelo, Caminha, Vila Nova de Cerveira, Valença e Paredes de Coura